Caminhoneiros vivem ‘guerra’ por representação

0
87
© Marcelo Camargo Caminhoneiros em protesto no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha

Depois da confusão em torno do preço do diesel, a relação do governo com os caminhoneiros vive agora outro problema: uma disputa entre líderes do movimento sobre quem fala pela categoria. É guerra”, resume Alexandre Fróes, que atua no transporte de contêineres em Santa Catarina.

Ao entrar para uma reunião com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, integrantes da CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos) queixaram-se do fato de o governo estar dialogando com pessoas que não são representativas.

Na noite de 5ª feira (18.abr.2019), Tarcísio e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, receberam um grupo de caminhoneiros, tendo à frente Wallace Landim, o Chorão, presidente da Cooperativa dos Transportadores Autônomos do Brasil. Ele divulgou um vídeo nos grupos de WhatsApp e houve reações negativas pelo fato de poucos líderes terem sido convidados para a conversa. Circularam mensagens dizendo: “Chorão não nos representa”.

Chorão disse não se espantar com a reação de entidades “constituídas há mais de 50 anos“, “desgastadas e com futuro abreviado“. Para ele, a categoria está substituindo “atravessadores de interesses sindicais” por lideranças avulsas que conseguiram diálogo com o governo.

Diumar Bueno, presidente da CNTA, convidou para estar em Brasília o caminhoneiro Wanderlei Alves, o Dedeco. Atuando em Curitiba, Dedeco é um dos articuladores de uma possível paralisação marcada para o dia 29.abr. O movimento, porém, é dúvida.

Aqui no Porto de Santos, ninguém vai parar não”, diz um caminhoneiro, apoiado por um grupo, num vídeo dirigido a Dedeco que circulou pelo WhatsApp.

A maioria quer 15 minutos de mídia”, observou Carlos Alberto Litti Dahmer, presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga (Sinditac) de Ijuí (RS).

A negociação com os caminhoneiros tem sido uma dificuldade para o governo desde as primeiras greves, nos anos 1990. Trata-se de uma categoria muito grande, espalhada por todo o país, que nunca teve 1 líder único. O diálogo com o governo se dá por meio de 1 fórum que se reúne periodicamente, do qual participam dezenas de representantes.

Disputa pelos holofotes à parte, a pauta central que a CNTA levou ao Ministério da Infraestrutura é a mesma repetida por todos os líderes caminhoneiros desde o ano passado: os pisos mínimos de frete, fixados em lei após a greve do ano passado, não estão sendo cumpridos. A fiscalização tem sido insuficiente.

Outro problema é a falta de trabalho. Com a economia fraca, é baixa a demanda por serviços de transporte. Para piorar, algumas empresas montaram frotas próprias após a paralisação de 2018.

É isso que deixa a categoria tensa e alimenta rumores de uma nova paralisação. O preço do diesel é a ponta visível dessa insatisfação.

A ANTT montou um sistema eletrônico de fiscalização do preço do frete que vai atingir todos os transportes de carga do país. Ele vai operar em fase de teste no Espírito Santo. Tarcísio e Chorão deverão ir ao Estado para ver o início das operações. O caminhoneiro disse ter sugerido ao ministro que convidasse outros líderes para o evento.

A tabela com pisos mínimos também vai mudar. Os preços serão estabelecidos conforme um sistema elaborado pela Esalq – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz.

poder360.com.br